PEDRO SEGUIA JESUS DE LONGE

por Bruno Nilson

Esse versículo, encontrado em Lucas 22:54, saltou aos meus olhos enquanto lia essa expressão de que “Pedro seguia Jesus de longe”. De imediato, o Espírito Santo me constrangeu em amor retornando essa afirmação em pergunta a mim: “você também tem seguido Jesus de longe?”. Em minha mente, imaginei todos meus amigos e irmãos de fé seguindo Jesus bem de pertinho, escutando tudo o que ele falava e vendo tudo o que ele fazia por estarem em sua volta e eu, mais atrás, tentando passar os olhos pela multidão em torno de Jesus para vê-lo e por estar seguindo-o de longe, não conseguia discernir entre a voz dele, a voz dos que o seguiam, a minha própria e a daqueles que nem sequer estavam o seguindo.
Continuei a leitura com essa visão em mente e logo em seguida vi a consequência de se seguir Jesus de longe: “Quando acenderam um fogo no meio do pátio e se assentaram juntos, Pedro tomou lugar entre eles.” (Lucas 22:55). Tal descrição, tão pontual e específica de Lucas, permitiu que o Espírito Santo ministrasse ao meu coração e revelasse o quão distante eu estava de Jesus, mesmo continuando a segui-lo. Como consequência, me vi como Pedro, assentando-me na roda de escarnecedores e tentando me aquecer em seu fogo, devido a frieza de coração na qual eu me encontrava por seguir Jesus de longe. 

Podemos traçar diversos paralelos com base nessa analogia do fogo, mas, em suma, é correto afirmar que esse distanciamento causa uma frieza espiritual e, por isso, buscamos, em coisas terrenas, algum fogo que possa nos aquecer e nos deixar confortáveis. Porém, todas essas rodas de fogo são passageiras, pois, com o primeiro vento, o fogo se apaga e nós temos que procurar nos aquecer em outro lugar. Essa busca incessante pelo “fogo” resume a carreira da existência humana em fracasso, pois longe de Jesus, jamais viveremos, e, como evidenciado pela resposta de Pedro aos que estavam ali em seu entorno, acabamos por negar Aquele que nunca negou seu amor por nós. 

No entanto, temos outro lado nessa história: o lado de quem escolheu seguir Jesus de perto. O “outro discípulo”, a quem a Bíblia se refere, muito provavelmente era João e,  conforme ele mesmo escreve em seu evangelho, “conseguiu entrar no pátio da casa deste (sumo sacerdote) com Jesus”. 

Esse discípulo, o discípulo amado, não se afastou em nenhum momento daquele que um dia o escolheu para andar com ele e ser chamado seu discípulo; esse discípulo seguiu Jesus de perto até à derradeira cruz, na qual ele viu seu Salvador sofrer e morrer; esse discípulo, diferentemente de Pedro, não negou Jesus, pois o fogo do Espírito não se apagou em seu coração, e pôde reclinar sua cabeça no conforto do peito de Jesus e ali descansar e ser satisfeito. Esse discípulo é quem eu quero ser, seguindo Jesus de perto, tendo sempre viva a chama do Espírito e permanecendo até o fim no seu amor.

Comentário (4)

  • Michael Gottfridsson| 11 de junho de 2020

    Que benção Bruno! Que possamos ser esse discípulo com segurança do nosso lugar próximo ao Senhor, que hoje ainda mais tenhamos essa chama do Espírito mais forte que nunca.

  • ROGERIO ROBERTO NILSON| 11 de junho de 2020

    : )

  • Marcelo Cacilias| 11 de junho de 2020

    Que benção! Amém e amém.

  • SAMIR| 11 de junho de 2020

    Excelente reflexão. Obrigado, Bruno.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *