OS EFEITOS DA PATERNIDADE DE DEUS (Louise Spencer)

A bíblia relata que fomos feitos filhos de Deus através de Jesus. “Fomos feitos” quer dizer que fomos, em verdade, adotados por Deus Pai. Não éramos filhos, mas fomos feitos seus filhos por meio da adoção.

Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; (João 1:10-12)
E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade. (Efésios 1:5)

A adoção não é algo distante da nossa realidade cotidiana. Todo mundo conhece alguém que adotou um filho (a) ou conhece um filho (a) que é adotado. A adoção é um gesto muito lindo praticado pelo adotante em relação ao indivíduo adotado, que tem seu coração cheio de gratidão ao ser incluído em uma família!
Depois de se consumar a adoção, uma série de efeitos se desencadeia. Pensando juridicamente nestes efeitos pude perceber que a realidade natural se assemelha muito com a realidade espiritual, da nossa adoção pelo Pai Celeste. A adoção se dá através de uma decisão judicial que, segundo a lei brasileira, atribui a situação de filho ao adotado (art. 1.626 do Código Civil). Muitos efeitos decorrem desta sentença, tais como: direito ao sobrenome, direito à guarda, direito à alimentos, direito de convivência familiar e direito à herança.

É claro que nós não temos direito algum perante Deus, quem somos nós para exigir algo do Criador! Sequer merecíamos ser adotados. Como pecadores merecíamos a morte. Graças a Deus pelo sacrifício de Jesus na cruz que nos dá vida! Então, é evidente que não temos direito algum. Mas percebi que, após a nossa adoção, Deus nos concedeu dádivas que se assemelham com o que a lei diz a respeito da adoção. Passarei a fazer uma comparação entre a adoção vista sob o ponto de vista jurídico e sob o ponto de vista de Deus conforme a sua palavra.

Pela lei, o adotado tem direito ao sobrenome de quem o adotou e isso garante o reconhecimento público da sua paternidade, pois o nome sinaliza a linhagem e a família de origem. Por exemplo, se o pai tem o sobrenome Souza, o filho receberá o sobrenome Souza.
Creio que ao sermos adotados pelo Pai Celeste recebemos o nosso sobrenome “filho de Deus”. Agora já não nos identificamos como filhos de Adão, mas como filhos de Deus, assim como Jesus, que era chamado de filho de Deus.
Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome, (Efésios 3:14,15)

Segundo a lei, a pessoa que é adotada tem também direito à guarda. Isto significa que o pai cuidará do filho adotado e por ele se responsabilizará, dirigindo todas as questões que dizem respeito à sua vida. Juridicamente, a guarda implica prestar assistência, criar e educar os filhos. E assim acontece quando o Pai nos adota, ele quer auxiliar, cuidar e proteger nossas vidas, dirigindo todos nossos passos. E às vezes o Pai também nos corrige. A bíblia diz que:
O Senhor cuida da vida dos íntegros, e a herança deles permanecerá para sempre. (Salmos 37:18)
Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês. (1 Pedro 5:7)
Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? (Hebreus 12:7)

A criança adotada perante a lei tem direito a receber alimentos de seu pai, a fim de garantir sua sobrevivência. Esses alimentos incluem a provisão não só da alimentação, mas também do vestuário, moradia e todas as necessidades básicas do filho. O nosso Pai Eterno também cuida de prover o sustento aos seus filhos adotados em Jesus. A bíblia diz:
Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; (Mateus 6:30-32)

Já fui jovem e agora sou velho, mas nunca vi o justo desamparado, nem seus filhos mendigando o pão. (Salmo 37:25).

Além disso, pela lei, a adoção dá direito à convivência familiar, isso é, o filho tem direito de conviver não somente com os pais que o adotaram, mas também com os parentes desta família, que são sua família extensiva. O objetivo é manter o vínculo de amor, afeto e o sentimento de pertencimento e inclusão naquela família. Semelhantemente, Deus Pai nos adotou e nos deu o privilégio de termos comunhão, relacionamento, convivência com Ele, Jesus e o Espírito Santo. Deus nos concede a honra de chamá-lo de Pai e de chamar Jesus de irmão.
Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temer, mas receberam o Espírito que os adota como filhos, por meio do qual clamamos: “Aba, Pai”. (Romanos 8:15)
Por essa razão era necessário que ele (Jesus) se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos, para se tornar sumo sacerdote misericordioso e fiel com relação a Deus e fazer propiciação pelos pecados do povo. (Hebreus 2:17)

E além dessa preciosidade que não merecemos, o Pai nos deu a alegria de conviver com os demais filhos adotados, nossos irmãos na fé, que são a família de Deus.
Portanto, vocês já não são estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus. (Efésios 2:19)

Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé. (Gálatas 6:10)

Por fim, quando uma pessoa é adotada passa a ter direito à herança do pai. Como sabemos, a herança é deixada para os descendentes. Juridicamente denominamos de “sucessão” a transferência do patrimônio que era do autor da herança (o dono) aos seus herdeiros. Quando um pai deixa herança, seus bens, títulos, recursos saem da sua propriedade e vão para seus filhos.
No mundo natural, a herança do filho só pode ser recebida quando seu pai falece. Já no mundo espiritual, é diferente. A morte não tem poder sobre Deus, Deus é um ser Eterno (Aleluia!) e sua herança é transmitida a nós. Jesus era para ser o único herdeiro de Deus, porém ele nos incluiu na família de Deus. Agora somos co-herdeiros de Jesus, ou seja, herdamos ao lado dele a herança transmitida pelo Pai. Então, porque somos filhos de Deus, somos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo.
Para nós, porém, há um único Deus, o Pai, de quem vêm todas as coisas e para quem vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem vieram todas as coisas e por meio de quem vivemos. (1Coríntios 8:6)

Assim, você já não é mais escravo, mas filho; e, por ser filho, Deus também o tornou herdeiro. (Gálatas 4:7)

Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória. (Romanos 8:17)

E, se vocês são de Cristo, são descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa. (Gálatas 3:29)
Ele o fez a fim de que, justificados por sua graça, nos tornemos seus herdeiros, tendo a esperança da vida eterna. (Tito 3:7)

Oh, quantas dádivas recebemos do Pai mediante nosso amado Senhor e Salvador Jesus Cristo. Por sua morte recebemos a vida e fomos adotados, feitos filhos de Deus. Não nos esqueçamos de tudo o que ele conquistou na cruz. Não desprezemos as dádivas recebidas com a adoção, pois somos filhos muito amados do Pai. Agora só nos resta nos apropriarmos dessas verdades e perseverar até o fim, até o dia em que se cumprirá a palavra que diz:
O vencedor herdará tudo isto, e eu serei seu Deus e ele será meu filho. Apocalipse 21:7

Comentário (3)

  • Irlan| 1 de outubro de 2020

    Excelente Louise !
    Obrigado pela palavra de amor e de verdade !
    Irlan

  • Aicha| 1 de outubro de 2020

    Muito bem colocado, Louise. Graças ao coração misericordioso do Pai, e ao oferecimento do sacrifício do Filho somos incluídos na família de Deus!

  • Louise Garcia Spencer| 13 de outubro de 2020

    Obrigada, irmãos. Glória ao nosso Pai!

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *